quinta-feira, 21 de outubro de 2010

LEÓNIA DEVORA OS LIVROS

A sala 3 está a trabalhar esta história e começou por inventar um texto para ela, a partir das ilustrações, antes de conhecer o texto original.

Aqui está:

Sobre o título: Leónia devora os livros, foram à procura do significado de "devorar": comer? saborear? Provavelmente... Ler e saborear a leitura (a Leónia vai gostar muito de ler...) e inventaram o título da sua história: Leónia adora ler.

Leónia é uma menina diferente: tem um apetite especial por livros. Gosta de saborear todos os livros que tem no quarto.

Sentada confortavelmente no sofá, a beber limonada, com uma pilha de livros ao lado, Leónia está a ler com uma cara feliz! O seu gato espreita por cima do sofá o livro que a menina vê.
Leónia vai até à biblioteca para entregar os livros que requisitou e que já leu.
O dono da biblioteca dá indicações à Leónia para arrumar os livros de forma correcta. Ela ia tantas vezes à biblioteca, que já sabia o lugar dos livros e por isso é que também tinha licença para os arrumar.
A mãe da Leónia pediu-lhe para pôr a mesa. Ela pôs o copo, os talheres, mas em vez de colocar o prato, pôs o livro que estava a ler. E assim, ficou o Gato das Botas à mesa, assustadíssimo, a pensar que o iam comer!
O Gato das Botas resolveu chamar o pai para dizer à Leónia que, se comesse o filho, ele comia-a a ela!
Mais personagens se juntaram ao pai do Gato das Botas, para o ajudar: era o Rei, um gigante, uma fada-rainha e um duende. Tinham todos um ar muito triste porque não queriam perder a personagem principal da história, que também era um bom amigo!
As personagens aconselharam Leónia a ir ao médico para ver se existia algum problema, devido à fome que a menina tinha de livros. Na consulta o médico viu-a a dar dentadas nos seus próprios livros de medicina e chamou o pai, que a levou para casa, muito zangado.
Em casa pô-la de castigo, sem livros para ler nem para comer!

Sozinha no quarto, triste e sem livros para ler, Leónia lembrou-se que tinha escondido um livro de culinária debaixo da cama. Apressou-se a abrir o livro e nesse momento saiu de lá um cozinheiro, que preparava uma receita com livros num grande caldeirão. Enquanto mexia o seu cozinhado, apresentou-se à menina:
- Olá, Leónia, eu sou professor de culinária e chamo-me Sabetudo.
Como estava cheia de fome, Leónia pediu-lhe se podia provar um bocadinho e Sabetudo deu-lhe licença para comer.

De repente abre-se a porta do quarto e era o pai da Leónia. Mal o viu, o cozinheiro assustou-se e de um salto desapareceu dentro do livro, levando o seu caldeirão. Ficou em cima da cama um misterioso frasco com um belo laçarote.

Quando abriu o frasco, levantou-se uma grande ventania e uma data de livros começaram a voar à volta da menina, que só conseguiu apanhar um… Mal o segurou, sentiu-se a levantar voo e…
… viu-se sentada num restaurante muito especial: tinha uma ementa só de livros.
Como Leónia não tinha trazido dinheiro para pagar a refeição, o dono do restaurante disse-lhe que podia ficar lá a trabalhar. Pagaria a sua despesa com tarefas e seria uma grande ajuda, pois estavam com falta de empregados.
De tanto trabalhar, a Leónia ficou tão cansada que decidiu descansar um bocadinho e, quando o dono do restaurante deu por ela, já estava a dormir profundamente, num cantinho da cozinha.
Leónia dormia e sonhava! Era agora uma princesa, muito famosa e rica, que vivia em Nova York, guardada por um dragão que a tinha presa.
Durante o seu sono apareceu um príncipe, voando, para ir salvar a princesa Leónia do terrível dragão.
Ao ver o príncipe, o dragão tentou atacá-lo com o fogo do seu bafo, mas o príncipe fez um voo rápido, espetando a espada em cheio na barriga do dragão!

Vencido o dragão, o príncipe aproximou-se da Leónia, deu-lhe um beijo e ela acordou.

Quando a princesa Leónia olhou para ele viu, envergonhada, que lhe fazia uma bonita vénia, pedindo-a em casamento, enquanto os seus pais assistiam a tudo, muito contentes!
Foram para o sótão real, a sua nova morada mas, como estava tudo cheio de pó, decidiram limpar e remodelar as instalações, de alto a baixo.
Casaram e tiveram dezoito filhos, nove meninas e nove rapazes, todos gémeos e que, tal como a mãe, devoravam livros.
A Leónia decidiu escrever a sua história e tornou-se escritora.
Na família todos gostavam muito de ler e de escrever e eram conhecidos pela família devoradora de livros, tal era o prazer que tinham em os ler!
FIM

1 comentário:

Cristina Quitério disse...

LINDO!!!!!! A Professora Cristina Quitério está muito orgulhosa do trabalho dos seus meninos. Quem sabe se no futuro não serão grandes escritores!
Um MUITO OBRIGADO à Ana por este trabalho de parceria, por todo o empenho e dedicação.
Façam como a nossa amiga Léonia, devorem todos os livros que possam.
Beijinhos e boas leituras.